sexta-feira, janeiro 14, 2005

Quando o planeta que distingue a hora

Quando o planeta que distingue a hora
faz pra viver co Touro o seu retorno,
cai virtude da chama a cada corno
que o mundo em nova cor então decora;

e não só o que se abre a nós de fora,
e em rio e monte põe florido adorno,
mas por dentro, onde o dia é sem contorno,
o humor terrestre prenho dele mora,

onde tal fruto e outros mais se colha.
E aquela entre as mulheres que é sol, em mim,
movendo os belos raios do olhar gera

pensar, falar e agir de amor, e enfim
por mais que ela governe, queira, escolha,
para mim nunca chega a primavera.


Nota: Este soneto teria acompanhado um presente de frutos. Co touro, em meados de Abril; mas por dentro, no subsolo.

(in "Rimas", Petrarca, tradução de Vasco Graça Moura, Círculo de Leitores)

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...