Mensagens

A mostrar mensagens de 2008

Um bom meme em qualquer dia do ano

Bisous!

Registo

Iceland's fall (Wall Street Journal, 27/12/08).

Registo

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM

Anselmo Borges
Padre e professor de Filosofia

Há 60 anos, exactamente no dia 10 de Dezembro de 1948, a Assembleia Geral das Nações Unidas proclamou em Paris a Declaração Universal dos Direitos do Homem.

Havia precedentes. Por exemplo, a famosa Charta Magna libertatum - a Magna Carta -, de 1215. Mas ela começa assim: "Estas são as demandas que os barões solicitam e o senhor rei concede", acabando, portanto, por abranger apenas os "homens livres".

A Declaração de Direitos (Bill of Rights) do Bom Povo de Virgínia, de 1776, já reconhecia os direitos dos indivíduos enquanto pessoas, mas não se estendia a todos, pois não incluía os negros, considerados "uma espécie inferior".

Em 1789, a Assembleia Nacional Francesa promulgou a célebre Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, mas este Homem era ainda só o varão branco e proprietário.

Na Declaração Universal dos Direitos do Homem, proclama-se, pela primeira vez, que toda a pessoa h…

Grande é o nosso pecado

"Se a miséria dos nossos pobres não for causada pelas leis da natureza, mas pelas nossas instituições, grande é o nosso pecado."

(Charles Darwin, Viagem a bordo do Beagle)
Imagem
(Jean Duvet)

As Adam, Early in the Morning

As Adam, early in the morning,
Walking forth from the bower, refresh’d with sleep;
Behold me where I pass—hear my voice—approach,
Touch me—touch the palm of your hand to my Body as I pass;
Be not afraid of my Body.

(Walt Whitman)
Imagem

Shut not your doors

Shut not your doors to me proud libraries,
For that which was lacking on all your well-fill'd shelves, yet needed
      most, I bring
Forth from the war emerging, a book I have made,
The words of my book nothing, the drift of it everything,
A book separate, not link'd with the rest nor felt by the intellect,
But you ye untold latencies will thrill to every page.

(Walt Whitman)

art saves

Imagem
(Fonte)

Escondeste-te portanto aí, entre os pináculos da Catedral de Milão, Beleza em estado puro? Tal como apareces, por vezes, numa mancha vermelha sobre uma tela, num recanto escondido de uma exposição?

Seriam tímidos, os mestres desta embriaguez escultórica? Teriam reservas sobre as figuras que lhes calharam em sorte? Podia ser. Mas os seus espíritos estão ali materializados, na pedra, incontornáveis, e tão belos, tão incrivelmente belos...

Registo

Registo

Jovem somali morta por apedrejamento

LUMENA RAPOSO
Somália. As milícias Al-Shabab, ligadas à Al-Qaeda, conquistaram em Agosto a cidade portuária de Kismayo onde estão a impor a charia - lei islâmica - ao abrigo da qual realizaram a primeira execução pública em dois anos. A de Aisha Duhulow

Crime foi cometido por um grupo de 50 homens

Aisha tinha 13 anos, dizem uns, 23 anos afirmam outros, e foi lapidada - ou seja, apedrejada até à morte - no estádio de Kismayo, a cidade portuária somali agora sob controlo das milícias islâmicas Al-Shabab. Durante o assassínio de Aisha, um familiar seu e alguns espectadores tentaram socorrê-la, o que fez com que os milicianos disparassem contra a multidão, matando uma criança.

Os extremistas islâmicos, associados à Al-Qaeda, justificaram a "misericordiosa execução" alegando que Aisha Ibrahim Duhulow praticou adultério, um crime de honra punido com a morte. Mas a família de Aisha nega a acusação, afirmando que ela foi violada por três homens e que …

Não desapontar é...

"We are all atheists about most of the gods that societies have ever believed in. Some of us just go one god further."

Richard Dawkins
Por que será lembrado o século em que nascemos? Por dois regimes totalitários, duas guerras mundiais e pela chegada do Homem à Lua. Preciosidades como esta ou esta serão, na melhor das hipóteses, curiosidades arqueológicas...
Imagem
(Peter Vilhelm Ilsted)

Será que não devíamos pedir uma indemnização às tabaqueiras pelo Paul Newman?

(Este é um post quadrado, cor-de-rosa, de costureirinha. Voilá.)

Do que mais gostava no Paul Newman, mais do que da beleza canónica, do talento irrepreensível, do bom carácter com que doava os lucros do molho de tomate para bolsas de estudo (acho que é qualquer coisa assim), da humanidade do ressonar (confessado pela mulher), do que mais gostava no Paul Newman era mesmo daquele casamento de décadas e décadas, uma coisa própria de príncipe encantado que se preze, ou não terminassem as histórias de encantar com o inevitável "e viveram felizes para sempre" ou, em casos mais humanos como este, "até que a morte os separe".

Se me comovo com qualquer um desses casais de muitas décadas, professando ainda publicamente o seu estado de encantamento, comovo-me mais com o Paul Newman, estrela grande de Hollywood, indústria que se alimenta de vidas humanas para produzir sonhos empacotados para milhões de outras vidas. À nossa frente, filtrada pelos media, vemos a coragem de tantas…
"In a real sense, people who have read good literature have lived more than people who cannot or will not read. It is not true that we have only one life to live; if we can read, we can live as many more lives and as many kinds of lives as we wish."

(Sam I. Hayakawa)
Imagem
Imagem
(Vincent van Gogh)

Quem sabe... um blog?

FEUILLET SANS DATE

Le mieux serait d'écrire les événements au jour le jour. Tenir un journal pour y voir clair. Ne pas laisser échapper les nuances, les petits faits, même s'ils n'ont l'air de rien, et surtout les classer. Il faut dire comment je vois cette table, la rue, les gens, mon paquet de tabac, puisque c'est celá qui a changé. Il faut déterminer exactement l'étendue et la nature de ce changement.

(Jean-Paul Sartre, La nausée)

Espécie de @#$%&^%$#@!

Posso propor que os deputados que aprovarem isto sejam pagos em fardos de palha?
Quando se aponta o dedo à melanina, lembro-me muitas vezes do divino baiano (preto?).

Acordo

*

«Depois de casado, eu chegava em casa alterado tarde da noite e a Vanda não se conformava, esquentava minha sopa amaldiçoando o Álvaro. Eu deixava por isso mesmo, não tinha como lhe explicar que, encerrado o expediente, me demorava sozinho na agência por conta própria, em leitura obsessiva. Naquelas horas, ver minhas obras assinadas por estranhos me dava um prazer nervoso, um tipo de ciúme ao contrário. Porque para mim, não era o sujeito quem se apossava da minha escrita, era como se eu escrevesse no caderno dele. Anoitecia, e eu tornava a ler os fraseados que sabia de cor, depois repetia em voz alta o nome do tal sujeito, e balançava as pernas e ria à beça no sofá, eu me sentia tendo um caso com mulher alheia. E se me envaideciam os fraseados, bem maior era a vaidade de ser um criador discreto. Não se tratava de orgulho ou soberba, sentimentos naturalmente silenciosos, mas de vaidade mesmo, com desejo de jactância e exibicionismo, o que muito valorizava minha discrição. E novos arti…

Intocável

Imagem
O que te salvará da pobreza, menina dalit? A democracia? A economia de mercado? A energia nuclear? Uma pretensa igualdade de oportunidades na escola?

Mulher a ler

Imagem
(Balthus)

Registo

"Surpresa: os alunos já são bons a Matemática", por Carlos Fiolhais: "O ilusionismo está pois instalado ao mais alto nível do Estado, à semelhança do que acontece nos estados totalitários. A verdade sobre a educação está a ser oculta num estado democrático."
"Does not the eternal sorrow of life consist in the fact that human beings cannot understand one another, that one person cannot enter into the internal state of another?"

(Ivan Pavlov)

Dúvidas

1. Haverá algum dia um referendo em que o resultado seja igual nos 27 países da União Europeia?

2. Por que razão não há consultas eleitorais com um conjunto finito de alternativas concretas em que votar? Por que há-de haver um desfecho desconhecido de um dos resultados?

3. Estariam os cidadãos da União Europeia preparados para eleger directamente um Presidente?
Em memória de Irena Sendler

*

[...] Chris abateu a cabeça sobre a mesa e rompeu a chorar; as lágrimas e a saliva sufocavam-no. Pousou uma das mãos no relatório. Ergueu a cabeça. Recobrou o domínio de si próprio e debruçou-se sobre a primeira página.


RELATÓRIO DAS ORGANIZAÇÕES JUDAICAS ASSOCIADAS SOBRE OS CENTROS DE EXTERMÍNIO EM ACTIVIDADE NA ÁREA DO GOVERNO-GERAL DA POLÓNIA, EM JULHO DE 1942.

Podemos declarar com firmeza que existem na área do Governo-Geral quatro centros criados com o único propósito de proceder a exterminações colectivas. Além destes, existem mais dois campos que servem simultaneamente para concentração e extermínio. Foram criados quinhentos campos de trabalho escravo na Polónia, dos quais cento e quarenta são destinados aos Judeus. Todos eles contêm diversos meios de assassínio.

A única conclusão a tirar é que o plano geral alemão em curso visa a destruição absoluta do povo judaico. No princípio, inanição colectiva, epidemias e execuções dizimaram dezenas de milhares d…

Registo

Quando é em massa, torna-se banal?

*

"A minha filha mereceu morrer por se apaixonar"
HELENA TECEDEIRO

Pai esfaqueou rapariga por falar com soldado

Abdel-Qader Ali não tem dúvidas: o mínimo que a filha merecia era morrer. O crime da rapariga de 17 anos? Ter-se apaixonado por um dos 1500 soldados britânicos estacionados na cidade iraquiana de Baçorá. "Se eu soubesse no que ela se ia transformar, tê-la-ia matado logo que a mãe a deu à luz", garantiu este funcionário público xiita, numa entrevista ao semanário britânico The Observer.

Dois meses depois de a morte de Rand Abdel-Qader - sufocada e esfaqueada pelo pai e irmãos a 16 de Março - ter chocado o mundo, Abdel-Qader Ali continua em liberdade. Foi no jardim da sua casa que o homem de 46 anos recordou como teve "o apoio dos meus amigos que também são pais e sabem que o que ela fez é inaceitável". A própria polícia, que chegou a deter Abdel-Qader umas horas, deu-lhe razão. "Todos sabem que os crimes de honra…

Tous les matins du monde

(Jean Baptiste Lully - "Marche Pour la Ceremonie des Turcs")

Registo

Desemprego, por José Pacheco Pereira.
Imagem
25 de Abril, sempre!

Registo

Imagem
Oficiais de polícia participando numa cerimónia alusiva ao Dia Internacional da Mulher em Cabul, hoje. (Xinhua/Reuters Photo)

Nos cem anos do nascimento

Imagem
Simone de Beauvoir.
Imagem
(Paul Cézanne)

Gaivota

Se uma gaivota viesse
trazer-me o céu de Lisboa
no desenho que fizesse,
nesse céu onde o olhar
é uma asa que não voa,
esmorece e cai no mar.

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde cabia
perfeito o meu coração.

Se um português marinheiro,
dos sete mares andarilho,
fosse quem sabe o primeiro
a contar-me o que inventasse,
se um olhar de novo brilho
no meu olhar se enlaçasse.

Que perfeito coração
no meu peito bateria,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde cabia
perfeito o meu coração.

Se ao dizer adeus à vida
as aves todas do céu,
me dessem na despedida
o teu olhar derradeiro,
esse olhar que era só teu,
amor que foste o primeiro.

Que perfeito coração
morreria no meu peito,
meu amor na tua mão,
nessa mão onde perfeito
bateu o meu coração.

(Alexandre O'Neill)