domingo, janeiro 16, 2005

Feiras anuais

Que significa, hoje, para quem é da cidade, ir a um calendário ou ao Borda d'Água e descobrir que é dia de São Qualquer Coisa, e ficar a saber que algures há uma Feira dedicada a esse santo, num lugar que de se conhece o nome e por onde já se passou em viagem?

Em tempos idos, cada uma destas feiras, que se realizava uma vez por ano, num dia específico, marcava o tempo para comprar ou vender determinados produtos agrícolas ou gado, para uma dada região.

Hoje, essa é uma realidade em processo de fossilização. Em campanha eleitoral, vão lá políticos distribuir aventais de plástico e, com alguma sorte, uns chapéus aceitáveis para os resistentes levarem para a lida do campo. Para usar até os fios se gastarem, sejam quais forem as cores da propaganda.

As aldeias continuam a ter a frescura das plantas e do seu verde afirmativo. E continua o trabalho duro e a pobreza de quem lá vive. Mas sempre há alegrias, como as dos dias de feira, em que se foge à labuta dos outros dias, e se encontram, lá longe, os vizinhos próximos e os distantes, e se compara o que se vai vender e as pechinchas que se levam para casa. Ah! E até se começavam namoros...

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...