domingo, setembro 28, 2008

Será que não devíamos pedir uma indemnização às tabaqueiras pelo Paul Newman?

(Este é um post quadrado, cor-de-rosa, de costureirinha. Voilá.)

Do que mais gostava no Paul Newman, mais do que da beleza canónica, do talento irrepreensível, do bom carácter com que doava os lucros do molho de tomate para bolsas de estudo (acho que é qualquer coisa assim), da humanidade do ressonar (confessado pela mulher), do que mais gostava no Paul Newman era mesmo daquele casamento de décadas e décadas, uma coisa própria de príncipe encantado que se preze, ou não terminassem as histórias de encantar com o inevitável "e viveram felizes para sempre" ou, em casos mais humanos como este, "até que a morte os separe".

Se me comovo com qualquer um desses casais de muitas décadas, professando ainda publicamente o seu estado de encantamento, comovo-me mais com o Paul Newman, estrela grande de Hollywood, indústria que se alimenta de vidas humanas para produzir sonhos empacotados para milhões de outras vidas. À nossa frente, filtrada pelos media, vemos a coragem de tantas dessas estrelas tentando ter uma vida pessoal com elementos que são denominadores comuns a todos os mortais. O Marlon Brando, falado por estes dias, por exemplo, viveu uma vida trágica, mas inegavelmente corajosa, procurando afinal coisas tão simples como qualquer ser humano.

Com o passar dos tempos, parece que há cada vez menos homens assim. Por isso, pergunto-me se não deveríamos pedir uma indemnização zilionária às tabaqueiras pela morte do Paul Newman.

sábado, setembro 27, 2008

"In a real sense, people who have read good literature have lived more than people who cannot or will not read. It is not true that we have only one life to live; if we can read, we can live as many more lives and as many kinds of lives as we wish."

(Sam I. Hayakawa)




Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...