Paolo e Francesca


(Dante Gabriel Rossetti)


E ela a mim: «Nenhuma maior dor
         do que a de recordar tempo feliz
         já na miséria; e o sabe o teu doutor.
Mas tu, se em conhecer qual a raiz
         primeira deste amor, pões tal afeito,
         di-lo-ei como quem chora em quanto diz.
Um dia a ler com ele me deleito,
         de Lançarote, o amor como o prendeu:
         Éramos sós e nada a nós suspeito.
Várias vezes o olhar nos suspendeu
         essa leitura e deu pálido aviso;
         mas foi um ponto só que nos venceu.
Quando lemos do desejado riso
         a ser beijado por tão grande amante,
         e este, que de mim seja indiviso,
a boca me beijou todo anelante.
         Galeoto foi o livro e quem o disse:
         nesse dia não lemos adiante.»
Como um espírito isto referisse,
         chorava o outro, e em mim tal pena vi
         que foi qual se a morrer eu me sentisse;
e como um corpo morto assim caí.


(in "A Divina Comédia", Dante, tradução de Vasco Graça Moura, Círculo de Leitores)

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Registo

Wikipédia em 16 de junho de 2017