quarta-feira, julho 19, 2006

De vida e de morte

A viagem providencial do tenente Bligh entre as ilhas Tonga e Timor, após a revolta na Bounty, aqui deixada na versão de Sir John Barrow, termina aqui. (Admito que foi uma transcrição egoísta, a que nem tirei as serifas porque não contava que alguém lesse - embora eu não me importe de ler Camus ou Steinbeck no ecrã...)

Dos dezanove homens iniciais, dezoito chegaram a Timor. Desses, alguns sucumbiram entretanto à doença e não chegaram a Inglaterra. O tenente Bligh conseguiu fazer chegar esses homens a Timor, depois de muito navegar, calcular rações mínimas e mentalizar os desgraçados dos perigos que corriam, com mantimentos para cinco dias em circunstâncias normais.

Mais tarde, Bligh testemunharia a sua convicção de que nunca teriam recorrido ao canibalismo, preferindo morrer de fome como se de uma doença se tratasse. Há anos, tivemos notícia de um caso desesperado, mas o consumo da carne humana continua tabu (talvez por instintivamente sabermos dos seus perigos?). No entanto, continuam a exploração e o assassínio de semelhantes, mesmo agora, no século XXI, em que se enviam sondas para Plutão e em que a razão permitiu a compreensão de fenómenos imensamente complexos. E, paradoxalmente, os povos cuja cultura assenta em livros sagrados são justamente os que mais se matam irracionalmente.

Quando haverá respeito pela vida humana?

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...