sábado, julho 15, 2006

Dom Quixote a ler


(Honoré Daumier)

Este quadro, tão expressivo, remete-me para as ideias do vício de certos tipos de leitura e para - digamos assim - a perdição através dos livros, encarnada em Dom Quixote. E esta última lembra-me o Index que, tanto quanto sei, ainda é observado pelos membros do Opus Dei. Estas criaturas, infinitamente arrogantes na sua santidade em construção, não são capazes de se sujeitar, como Cristo, às tentações do demónio. Preferem dispensar a sua inteligência do exercício da crítica. Imagino-os a persignar-se quando deparam com uma lombada proibida numa estante, a queimar livros "malditos" longe dos olhares públicos, a doutrinar as suas criancinhas sobre os perigos das ideias e da arte e a proibi-las de. É certo que Quixote se perdeu na loucura, em busca de aventura e glória, uma busca instigada pelos livros de cavalaria. Mas a sua humanidade delirante é bem mais interessante e bem mais real do que a pretensa santidade dos outros.

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...