quinta-feira, outubro 21, 2004

Fascinação

"Nessa noite, à mesa, o professor estava em completa euforia. A presença de Irene Beltrán estimulava a sua eloquência. A jovem ouvia-o falar sobre a solidariedade com a fascinação de um menino perante um teatro de marionetas, porque aqueles discursos exaltados estavam muito distantes do seu mundo. Enquanto ele apostava nos melhores valores da humanidade, ignorando milhares de anos de história que demonstram o contrário, certo de que basta uma geração para criar uma consciência superior e uma sociedade melhor desde que se criem as condições indispensáveis, ela, extasiada, deixava esfriar a comida no prato."

(in "De Amor e de Sombra", Isabel Allende, Difel)

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...