quarta-feira, dezembro 08, 2004

Relógio biológico do saber

"Mas o que mais custa a Pasteur não é o cansaço físico; o seu desejo de saber choca-se com a imensidade da matéria e nem calcula os anos de esforço que terá de consumir para alcançar uma base segura que lhe permita trabalhos pessoais; teme que a sua inteligência não seja suficientemente robusta e penetrante para vencer as dificuldades que lhe surgem agora em maior número à medida que progride; todos lhe parecem mais hábeis e mais finos, dominando sem custo as lições e avançando mais do que ele; mas é certo também que, ao falar-lhes sobre pontos que já aprendeu, os encontra superficiais, flutuantes, sem opinião própria, jogados ao sabor das últimas leituras; são mais brilhantes, certamente, e a seu lado faz uma figura pesada e lenta; ignora muito do que eles sabem, mas o que construiu ficou seguro; irá caminhando para o futuro, até onde o levarem as forças, e já sente que os outros se dissolverão na jornada, inconscientes, realmente fracos ante os embates da grande vida."

(in "Vida de Pasteur", Agostinho da Silva, Ulmeiro)

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...