segunda-feira, dezembro 20, 2004

Livros sobre livros e sobre a escrita



Não os procuro, surgem-me nas mãos:

- "História do Cerco de Lisboa" (José Saramago) - a importância de um revisor e de uma palavra;

- "O Caderno Dourado" (Doris Lessing) - uma matrioska de cadernos;

- "Se Numa Noite de Inverno um Viajante" (Italo Calvino) - versões, falsificações, cumplicidade entre um leitor e uma leitora;

- "Correspondente de Guerra" (John Steinbeck) - o "esforço de guerra" como auto-censura;

- vários, de Jorge Luís Borges - por exemplo, a história do homem a quem é concedido um lapso de tempo antes de morrer, em que exteriormente fica imóvel e interiormente podo completar a sua obra-prima, desfrutada apenas por si.

E, ainda, um filme: "Fahrenheit 451", de François Truffaut, baseado no livro homónimo de Ray Bradbury.

Adenda: o livro de Melquíades, sobre o futuro que se faz presente, em "Cem anos de solidão" (Gabriel García Márquez).

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...