domingo, dezembro 19, 2004

Injustiça (II)

Judas (como o Homem), instrumento do plano divino.

Eu não falo de todos vós. Eu conheço aquele que escolhi, mas é preciso que se cumpra o que está na Escritura: "Aquele que come o pão comigo é o primeiro a trair-Me!" Digo isto agora, antes que aconteça, para que, quando acontecer, acrediteis que Eu Sou. Garanto-vos: quem recebe aquele que Eu envio, recebe-me a Mim, e quem Me recebe, recebe Aquele que me enviou".

Depois de dizer estas coisas, Jesus ficou profundamente comovido e disse com toda a clareza: "Garanto-vos que um de vós vai trair-Me." Desconcertados, os discípulos olhavam uns para os outros, pois não sabiam de quem Jesus falava. Um deles, aquele que Jesus amava, estava sentado à mesa ao lado de Jesus. Simão Pedro fez-lhe um sinal para que ele procurasse saber de quem é que Jesus falava. Então o discípulo inclinou-se sobre o peito de Jesus e perguntou: "Senhor, quem é?" Jesus respondeu: "É aquele a quem vou dar o pedaço de pão que estou humedecendo no molho". Então Jesus pegou num pedaço de pão, molhou-o e deu-o a Judas Escariotes, filho de Simão. Nesse momento, depois do pão, Satanás entrou em Judas. Então Jesus disse-lhe: "O que pretendes fazer, fá-lo depressa". Ninguém dos presentes compreendeu porque é que Jesus lhe disse isto. Como Judas era o responsável pela bolsa comum, alguns discípulos pensaram que Jesus o tinha mandado comprar o necessário para a festa ou dar alguma coisa aos pobres. Judas tomou o pedaço de pão e saiu imediatamente. Era noite.

(João, 13:18-30)

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...