segunda-feira, dezembro 27, 2004

Poesia de Pedro Magalhães Mexia

Em húngaro:

A jelentések

Nem tudom, hogy jött mindez: felteszem,
hogy volt előbb egy alakzat, mely aztán
forgáccsá hullt, hogy puzzle váljék belőle.
De ha az összes darab egyesül,
nem ölt semmilyen formát néha, s akkor
mily szeplőtlen kezdetből származott ez,
mi később széttört? Nem lehet csinálni
forgácsot forgácsból elsődleges
összefüggés nélkül, mely most hiányzik.
Ha minden darab kapcsolódik, egy
nagyobb darab alakjává fogunk még
redukálódni, vagy ez az alak
pragmatikus, instrumentális ábránd,
mely jelenteni enged valamit?
Ó, jelentések, nyitottam tinektek
Egy füzetet gyerekkoromban.



Em português:

Os significados

Não sei como tudo começou: suponho
que havia uma figura que depois
se estilhaçou para formar um puzzle.
Mas se juntarem todas as peças
talvez não haja nenhuma figura, e então
de que origem intacta partiu tudo
o que depois se quebrou? É impossível
fazer estilhaços de estilhaços sem uma
coerência primeira, agora ausente.
Quando todas as peças se juntam
estaremos reduzidos ainda a uma peça
de uma figura maior, ou essa figura
é uma utopia pragmática, instrumental,
que permite algum sentido?
Ó significados, para vós, na infância,
tinha um caderno.


Cortesia Fora do Mundo e lyrikline.org

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...