quarta-feira, fevereiro 02, 2005

A abstenção, de novo

A abstenção é um "tema fracturante" entre os leitores do AdP. Dizem os abstinentes (só pelo nome, já deviam ter vergonha!) ou que não há escolha, porque todos os partidos são iguais, ou que são os políticos portugueses que sofrem de uma maleita generalizada que os torna preguiçosos e corruptos.

Posso conceder que, actualmente, não há muito lugar para a imaginação dentro dos partidos e que os políticos que temos são um reflexo da sociedade que somos.

Dito isto, o que pode ser feito? Até me parece bem simples, depois do que escrevi: procurar ter ideias criativas (e os blogs são um bom meio para as divulgar) e procurar ser melhor no dia-a-dia, nomeadamente a nível da participação cívica.

Agora pergunto-me: será que os abstencionistas são pessoas que intervêm de forma activa e original na sua comunidade? Ou será que são os que, quer seja numa aasembleia de meia dúzia de pessoas, quer seja nas eleições a nível nacional, estão só disponíveis para criticar destrutuivamente, e nunca para propor alternativas?

É que me parece que a auto-responsabilização, que é também uma emancipação de um estado de impotência infantil, a nível de participação democrática, começa nas pequenas coisas.


Ver também: "Os políticos profissionais", "Sobre a abstenção", "E se...?", "O azul dos olhos de Salgueiro Maia" e "Curioso".

Nota: há ainda outro motivo, mais prosaico, para se ir votar. Em termos de contagens das percentagens de votos dos partidos, não é a mesma coisa um abstencionista, um voto em branco, um voto num partido sem representação parlamentar e um voto num partido com representação parlamentar.

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...