domingo, março 13, 2005

A ilha

Chegava-se à ilha, pousava-se os pés no cais e caminhava-se para dentro da pequena floresta até encontrar o lugar para pernoitar. Depois, durante dias e dias, ia-se à praia, de uma areia branca e fina. Entre as ondas de areia, quase junto ao mar, corpos nus rendiam-se ao sol. Uma costa longa, tão longa que parecia não ter fim. A ilha parecia o mundo inteiro.

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...