sexta-feira, abril 07, 2006

Evangelhos apócrifos

2ª Epístola de Clemente de Roma 5, 2-4 e 8, 5

O Senhor diz: «Vós sereis como cordeiros no meio de lobos.» Pedro responde-lhe: «E se os lobos despedaçarem os cordeiros?» Jesus diz a Pedro: «Os cordeiros, após a sua morte, já não têm porque recear os lobos. E não tenhais medo de pessoas que vos matam, pois em seguida já não vos podem fazer mal. Receai antes aquele que, após a vossa morte, tem poder para vos lançar, alma e corpo, no martírio do corpo.»[1]

[1] Mateus 10, 16; Lucas 10, 3.

*

Papiro 654

Jesus diz: «Que aquele que procura não cesse de procurar, até que encontre, e quando tiver encontrado ficará cheio de espanto. Espantado, ele reinará, e reinando, conhecerá o repouso.»


*

Pseudo-Clementinas, Homilia 11, 35

Também aquele que nos[2] enviou disse: «Muitos virão a mim, vestidos de ovelhas, mas por dentro são lobos vorazes». Será pelos seus frutos que vós os reconhecereis.»

[2] Neste evangelho, os doze apóstolos apresentam-se como os narradores, e Mateus como o redactor.

*

Clemente de Alexandria, Stromata 3, 6, 9, 13

A Salomé, que lhe perguntava «Até quando a morte nos tomará sob o seu poder?», o Senhor respondeu: «Até que vós, todas as mulheres, cesseis de conceber.» Não que a vida seja má e perversa a criação, mas tal é a ordem da natureza: geração e corrupção encadeiam-se inelutavelmente.»

Alguns, movidos por uma piedosa continência, opõem-se à criação de Deus e citam estas palavras de Jesus a Salomé, que eu acabo de recordar. Encontram-se, salvo erro, no evangelho segundo os Egípcios. Eles afirmam que o próprio Senhor declarou: «Eu vim destruir as obras da mulher.» Por mulher, entendam as paixões; pelas suas obras, o nascimento e a morte.

Como a conversa se debruçava sobre a consumação dos tempos, Salomé, muito a propósito, perguntou: «Até quando é que os homens morrerão?» (A Escritura dá à palavra homem um duplo sentido, designando a pessoa visível e a alma, ou ainda o que está salvo e o que não está. E o pecado é chamado a morte da alma.) E o Senhor deu-lhe esta sagaz resposta: «Enquanto as mulheres conceberem.»

Disse-lhe ela: «Fiz bem em não ter gerado, pensando que a geração era um mal»; ora o Senhor respondeu-lhe: «Come qualquer erva, mas evita aquelas que são amargas.»[3]

Como Salomé lhe perguntasse quando se realizariam os acontecimentos de que ele falara, o Senhor disse: «Quando vocês espezinharem o vestido da vergonha e quando o dois for um, o masculino se unir ao feminino e não houver mais homem nem mulher.»

[3] Os encratitas consideravam o casamento como uma «erva amarga».


("Evangelhos Apócrifos", Editorial Estampa)

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...