domingo, novembro 28, 2004

Observação com espírito aberto

As moles de caras anónimas dos transportes públicos sempre me fascinaram. Não apenas aqueles rostos de adolescentes de beleza resplandecente, não apenas a fealdade cansada da maioria que trabalha e sobrevive, mas, por baixo da superfície, a unicidade de cada ser humano, a sua história de sonhos e conquistas de todos desconhecida, mas nem por isso menos preciosa.

“Cada ser humano é um mundo.” Não interessam as rugas, as olheiras, os papos, todas as imperfeições. Cada ser humano poderia, em princípio, ser meu amigo. Por que não?

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...