sexta-feira, agosto 25, 2006

Orlando

«Era homem; era mulher. Conhecia os segredos e partilhava as fraquezas de ambos. Sem dúvida que se tratava do mais confuso e incrível dos estados de espírito. A felicidade da ignorância estava-lhe vedada. Era como uma pena agitando-se na tempestade. Não é caso para admirar, pois, que ao comparar ambos os sexos, descobria estarem os dois repletos das mais deploráveis enfermidades [...].

«"Melhor ser pobre e ignorante, pois são estes os atributos do sexo feminino; melhor deixar o governo do mundo para os outros; melhor abandonar as ambições marciais, o amor ao poder e todos os outros desejos masculinos, se com isso se apreciar plenamente os mais exaltados êxtases do espírito humano, que são", e nesta altura, tal como costumava acontecer sempre que se comovia, começou a falar em voz alta -, "a contemplação, a solidão e o amor."

«"Graças a Deus que sou mulher!", gritou, estando prestes a cometer a loucura extrema - nada mais aflitivo tanto nos homens como nas mulheres - de se envaidecer do seu próprio sexo, quando a simples palavra que, e apesar de todos os nossos esforços para a esquecermos se insinuou no final da frase, a fez parar. Amor. "O amor." Nesse mesmo instante - tal é a sua impetuosidade - o amor tomou forma humana - tal é o seu orgulho. É que, enquanto os outros pensamentos se contentam em permanecer abstractos, nada mais satisfaz este do que assumir forma humana, de mantilha e saia, de calções e gibão. E, dado que todos os amores de Orlando haviam sido mulheres, agora, devido à lentidão dos seres humanos para se adaptarem às convenções, e muito embora fosse mulher, o objecto do seu amor continuava a ser uma mulher. E, se a consciência de pertencer ao mesmo sexo tinha algum efeito no caso, apenas apressava e aprofundava os sentimentos que a caracterizavam enquanto homem. Pois agora entendia toda uma série de alusões e mistérios que antes lhe escapavam. Agora, a obscuridade que divide os sexos e mantém as impurezas na sombra deixara de existir, e, se o poeta tem razão no que diz a respeito da beleza e da verdade, este amor ganhou em beleza aquilo que perdera em falsidade. Agora, gritou, conhecia Sasha tal como ela era, e, no ardor da descoberta e da ânsia de alcançar todos os tesouros que lhe eram revelados, sentiu-se tão arrebatada e encantada, que se sentiu como se lhe tivesse soado um tiro de canhão [...].»

(Virginia Woolf, Orlando, tradução de Lucília Rodrigues, Publicações Europa-América)

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...