quarta-feira, maio 03, 2017

A outra face da moeda do "envelhecimento ativo"

A idade da reforma, para além de ser um instrumento indireto do Estado para cortar os valores das reformas, tem um racional baseado na renovação das gerações no mercado de trabalho e na prevenção dos efeitos da senilidade. (E também no auxílio à velhice e no reconhecimento do direito ao descanso no fim da vida.)

Os que insistem em trabalhar quando têm mais de setenta anos prejudicam objetivamente os potenciais trabalhadores que engrossam o desemprego jovem e o precariado.

Além disso, quando o serviço nacional de saúde nos impõe médicos voluntários com mais de setenta anos (o que demonstra, para quem dúvidas tenha, que não há excesso de médicos), ninguém está seguro.

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...