segunda-feira, março 27, 2006

O anonimato perfeito

Sem referências à vida do dia-a-dia, a pessoas próximas, a convicções conhecidas e raciocínios recorrentes.

O anonimato perfeito é, como o crime perfeito, aquele que não tem motivo. Para o caso, que interesse teria um John Doe em assinar Joe Smith?

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...