quarta-feira, novembro 09, 2005

Fogo

Uma pastora chega ao seu abrigo, depois de um longo dia de trabalho e de cansaços. Está frio. Encontra uma fogueira acesa. Aproxima-se, deixa o calor atingir-lhe e ruborizar-lhe a face, e o crepitar embalar-lhe o repouso. Sorri. (Haverá um certo tipo de liberdade que surge do despojamento?)

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...