Avançar para o conteúdo principal

Do falar e escrever difícil

"Sempre detestei qualquer modo de falar e escrever difícil, isto é, fora do natural. Tentar a originalidade, por esse processo, é cair na trivialidade vestida de ouropéis. Quem não é original não deve querer sê-lo à fina força, que é pior a emenda que o soneto. A originalidade é atributo do artista, que não do artifício. Mas, no tocante a linguagem, pensa a maior parte da gente que não é assim. Que a melhor maneira de não ser vulgar é servir-se, falando e escrevendo, não de termos próprios, mas invulgares. Daí o repúdio da boa palavra de ontem em benefício da má palavra de hoje, caso não possa imolar-se a má palavra de hoje a uma palavra péssima, que ainda esteja no choco. A maior parte das pessoas, nossas contemporâneas, seriam felizes se pudessem antecipar-se a netos e bisnetos, substituindo o termo fácil, que hoje define uma coisa, pelo palavrão difícil que a definirá no princípio do século XXI."

(João de Araújo Correia, "A Língua Portuguesa")

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Registo

Boas notícias: em S. Tomé e Príncipe, o candidato derrotado aceitou os resultados das eleições e felicitou o vencedor.

Más notícias: em Timor-Leste, segundo a Lusa, o Conselho de Estado "autorizou" (!) o Presidente da República a prorrogar o estado de emergência.

Forças da natureza

Paul Gauguin, "Fatata Te Moua" ("No sopé de uma montanha"), 1892