terça-feira, maio 31, 2005

Subterrâneo

Às vezes perguntava-se se viveria num mundo subterrâneo como o encontrado no futuro pela personagem de H. G. Wells em "A Máquina do Tempo". Parecia-lhe haver um sol de que conhecia a existência mas que, lamentavelmente, não podia desfrutar. Então, lembrava-se do globo terrestre da Mafaldinha, de Quino, e de como havia gente (pelo menos, uma menina rabina...) que vivia, aparentemente, "de pernas para o ar". Talvez houvesse, portanto, algum valor comparável ao do mundo solar e fácil e simples do outro lado, aí, desse lado mais escuro do mundo.

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...