segunda-feira, fevereiro 12, 2007

A zona cinzenta

A campanha sobre o referendo, que acompanhei a grande distância, permitiu-me mudar de opinião e aceitar a despenalização da IVG não só até formação do sistema nervoso central do feto, mas até à viabilidade deste fora do corpo da mãe. De facto, o melhor juiz para avaliar o conflito de interesses em presença, perante a hipótese de um aborto, é a própria mãe. E fiquei a saber que é possível usar anestesia de forma a que o feto não sofra durante o aborto.

Agora: poderia a "tolerância" demonstrada pelos apoiantes do Não, na última semana de campanha, ser extensível aos abortos entre as 10 e as 24 semanas?

Sem comentários:

Malditas praxes

Mais um ano letivo, mais uma temporada de praxes. Com trinta graus, andam com capas de lã e de collants aos berros durante horas e horas, a ...