sexta-feira, setembro 29, 2006

Full of Life Now

Full of life, now, compact, visible,
I, forty years old the eighty-third year of the States,
To one a century hence, or any number of centuries hence,
To you, yet unborn, these, seeking you.

When you read these I that was visible am become invisible,
Now it is you, compact, visible, realizing my poems, seeking me,
Fancying how happy you were, if I could be with you, and become your comrade;
Be it as if I were with you. (Be not too certain but I am now with you.)


(Walt Whitman)

quinta-feira, setembro 28, 2006

Mulher a ler


Pierre Auguste Cot, Pause for Thought (Ophelia), 1870

A primeira mulher a ler que por aqui apareceu era, se não me engano, uma miuda sardenta vestida de cor-de-laranja, a ilustrar uma entrada sobre livros que falavam de livros. Depois, a pastora começou a achar graça às mulheres a ler, por serem tão pouco conformes ao ideal do eterno feminino de outros séculos, da mulher a seduzir, a fazer sala e a cuidar dos filhos e da casa. As mulheres de há duzentos ou trezentos anos que liam cartas e livros em arrumadas casas flamengas ou ao ar livre na América eram símbolo de um progresso civilizacional que se quis retratar.

De tempos a tempos, passam na televisão reportagens de todo o mundo de crianças que não vão à escola. É uma situação tão conhecida que o que choca mesmo é a nossa habituação e resignação. Os números da Unicef não deixam margem para dúvidas: as raparigas são sempre as principais vítimas do analfabetismo. Mas pensamos que esse mundo é muito longe. Só que ainda se encontram, em Lisboa, senhoras que nos perguntam o número do autocarro seguinte. E o que fazemos para remediar isto? Pouco. Por exemplo, a 28 de Setembro, depois de o ano lectivo ter começado há muito, o Ministério da Educação não teve ainda a coragem para dizer se, sim ou sopas, vai haver ensino recorrente este ano. Como se não bastasse o pouco caso com que são tratados os trabalhadores-estudantes neste país. Enfim... adeus, progresso, até depois.

terça-feira, setembro 26, 2006

quinta-feira, setembro 21, 2006

Planura

A morte parecia ser o único fim razoável para semelhante carreira; mas a morte é apenas um salto para a região do estranho desconhecido; não passa da entrada do imenso remoto, do fantástico, do aquático, do sem alicerces. Assim, para esses homens que suspiram pela morte, mas a não desejam e não podem suicidar-se, o oceano, o participante inúmero e o acolhedor eterno, exibe com sedução os sedutores e inconcebíveis terrores da sua planura; do coração dos Pacíficos infinitos, milhares de sereias lhe cantam:

«Vem para cá, coração despedaçado; aqui vivemos uma morte intermédia; aqui podemos ter, sem morrer, maravilhas sobrenaturais. Vem para cá! aniquila-te numa vida odiada pelo seu mundo terreno e que dela penso o mesmo; ofereço ainda mais esquecimento que a morte. Vem para cá! Levanta a tua própria lápide no cemitério, e vem para cá casar-te comigo!»

Ouvindo estas vozes vindas do leste e do oeste, da alvorada ao crepúsculo, o espírito do ferreiro respondeu: «Pois bem; aqui me tens!» E foi assim que Perth foi pescar a baleia.


(Herman Melville)

terça-feira, setembro 19, 2006

Liberdade de expressão?


Maomé, montando Buraq e na companhia do anjo Gabriel, visita o Inferno. Vêem mulheres penduradas pela língua por um demónio verde, por se terem rido dos seus maridos e terem saído de casa sem permissão. Imagem de origem persa, do séc. XV, de um manuscrito intitulado "Miraj Nama", que se encontra na Bibliotèque Nacional, em Paris. Obtido em "The Miraculous Journey of Mahomet", de Marie-Rose Seguy. Via Mohammed Image Archive.

America

Centre of equal daughters, equal sons,
All, all alike endear'd, grown, ungrown, young or old,
Strong, ample, fair, enduring, capable, rich,
Perennial with the Earth, with Freedom, Law and Love,
A grand, sane, towering, seated Mother,
Chair'd in the adamant of Time.


(Walt Whitman)




Gravação de 36 segundos, em cilindro de cera, do que se pensa ser a voz de Walt Whitman lendo quatro linhas do poema "America". (The Walt Whitman Arquive)

segunda-feira, setembro 18, 2006

Leaves of Grass



Capa da edição americana de 1855.

Desculpas?


Maomé, montando Buraq, voando sobre o Paraíso, observa as conhecidas houris ("virgens" prometidas aos heróis e aos mártires) colhendo flores e entretendo-se. Imagem de origem persa, do séc. XV, de um manuscrito intitulado "Miraj Nama", que se encontra na Bibliotèque Nacional, em Paris. Obtido em "The Miraculous Journey of Mahomet", de Marie-Rose Seguy. Via Mohammed Image Archive.

Sim, desculpas sobre o tratamento das mulheres também seriam bem-vindas.

sábado, setembro 16, 2006

Sabor amargo


"Torture is not always impermissible. However rare the cases, there are circumstances in which, by any rational moral calculus, torture not only would be permissible but would be required (to acquire life-saving information). And once you've established the principle, to paraphrase George Bernard Shaw, all that's left to haggle about is the price. In the case of torture, that means that the argument is not whether torture is ever permissible, but when--i.e., under what obviously stringent circumstances: how big, how imminent, how preventable the ticking time bomb." (Charles Krauthammer, 12/05/2005, The Weekly Standard)

*

É um miúdo. Está sentado à minha frente a beber café. É um miúdo, mas uma parte teve de crescer à força.

Foi torturado. Mostra-me as marcas. (Os patifes estavam à vontade.) Diz-me que não falou. Penso que poderia ter sido pior, bem pior, mas que sei eu?

A forma como foi recrutado é típica: uma vítima na família. Vê o mundo de uma forma muito mais simples do que eu, mas não conseguiria convencer-me de que é menos válida. A organização a que pertenceu é responsável por mortes. Foi, sem dúvida, uma guerra, pelo menos no sentido comum do termo. Só com "combatentes irregulares", sem convenções de Genebra, com carta branca para a barbárie. (Não compreendo a necessidade de redundância de textos jurídicos. O artigo 5 da Declaração Universal dos Direitos do Homem e a sua implementação a todos os níveis não seriam suficientes?)

Mergulho nos meandros da história do direito, da filosofia do direito, procurando uma forma de justificar o fim da tortura. Ainda não encontrei o que procurava. O debate em torno da emenda do senador McCain é demasiado circunstancial. Continuam a ser salvaguardadas as "circunstâncias excepcionais" e os "valores maiores". Vamos prevenindo os eventuais milhares, ou centenas, ou dezenas de vítimas de atentados em planeamento, mas a que preço? À custa do estado de direito, das liberdades e garantias, dos direitos do Homem, de pilares da nossa civilização.

domingo, setembro 10, 2006

Agradecimento

Pelos comentários aqui deixados que me obrigaram (mesmo - "imperativo categórico") a aprender mais: muito obrigada!

sexta-feira, setembro 08, 2006

Mulher a ler


Pintura flamenga, c. 1550

Ainda há esperança

Uma boa descoberta: um bookcrossing spot em Lisboa! Ou, como lhe chamam, "Crossing Zone".

Mote: «E caíram nos braços um do outro»

Diz uma lenda que, em dois montes da Ponta Leste, viviam dois clãs há muito desavindos. Calhou que o filho do chefe de um dos clãs se apaixonasse pela filha do chefe do outro clã, e que fosse correspondido. (Tema universalmente glosado...) Os dois jovens queriam casar-se, e sabiam que não seria a falta de búfalos para o barlaque que os impediria. O que temiam, e se verificou, foi a oposição intransigente das duas famílias. Sem outra solução, os dois foram até ao extremo de um penhasco, enrolaram-se num tais-mane, e saltaram. E caíram, nos braços um do outro.

quarta-feira, setembro 06, 2006

A escada da tortura

(reedição)

«Foi colocada uma bomba armadilhada algures na sua comunidade. Foram feitas exigências de dinheiro e de libertação de prisioneiros. Você capturou o bombista, que confessou mas que recusa dizer onde a bomba está escondida.

O que faria? Usaria a tortura?

  • Seria relevante saber se estariam em perigo vidas ou bens?
  • Seria relevante saber quantas pessoas poderiam morrer?
  • Seria relevante saber quanto tempo teria para fazer o interrogatório? Ou seja, usaria a tortura como último recurso?
  • Seria relevante saber que tipo de bomba tinha sido usada?
  • Torturaria você mesmo o indivíduo?
  • Torturaria familiares ou amigos do indivíduo?
  • Publicitaria o facto de ser um torturador?

    *

    A escada da tortura


    1. Um indivíduo colocou algures uma bomba armadilhada e admite-o. Temos de torturá-lo para salvar vidas.

    2. Um indivíduo é suspeito de ter colocado algures uma bomba armadilhada. Temos de torturá-lo para descobrir a verdade.

    3. Um indivíduo é próximo de outro que é suspeito de ter colocado algures uma bomba armadilhada. Temos de torturar o amigo/parente para descobri os planos do bombista.

    4. Um indivíduo relata que alguém partilha as mesmas opiniões políticas que o bombista. Temos de torturar esse aliado político para descobrir outros que o apoiem.

    5. Um indivíduo recusou-se a dizer à polícia onde está um suspeito. Esta pessoa tem de ser torturada para garantir que outros não se atrevem a fazer a mesma coisa.

    *

  • Onde colocaria o limite? Quando, se alguma vez, é que a tortura se justifica?
  • Pode justificar-se violar os direitos humanos de um indivíduo em algumas situações?
  • Como quer que a polícia ou os militares do seu país respondam a este tipo de situação?»


    (fonte)

    Ver também:
    Instruments of Torture/Historical Torture Museum.
  • sexta-feira, setembro 01, 2006

    O Líbano antes das guerras (II)

    «[...] O aliciante daqueles trapos não bastava para que a minha mãe se sentisse à vontade no Líbano, vivia com a sensação de estar prisioneira da sua própria pele. As mulheres não deviam andar sozinhas, no meio de uma confusão qualquer uma mão viril desrespeitosa podia surgir para as ofender, e se tentavam defender-se eram apupadas por um coro de gracejos agressivos. A dez minutos da nossa casa havia uma praia interminável de areia branca e mar tépido, que convidava a refrescar-nos na canícula das tardes de Agosto. Devíamos tomar banho em família, num grupo fechado, para nos protegermos das manápulas dos outros banhistas; era impossível deitarmo-nos na areia, equivalia a chamar a desgraça, mal tirávamos a cabeça fora da água corríamos para nos refugiar numa barraca que alugávamos para esse fim.»

    (Isabel Allende)



    Maomé, montando Buraq e na companhia do anjo Gabriel, visita o Inferno. Vêem um demónio a castigar "mulheres desavergonhadas" que expuseram o seu cabelo à vista de estranhos. Por este crime de incitação à luxúria nos homens, as mulheres são penduradas pelo cabelo e queimadas por toda a eternidade. Imagem de origem persa, do séc. XV, de um manuscrito intitulado "Miraj Nama", que se encontra na Bibliotèque Nacional, em Paris. Obtido em "The Miraculous Journey of Mahomet", de Marie-Rose Seguy. Via Mohammed Image Archive (excelente!).

    O Líbano antes das guerras

    «O Líbano dos anos 50 era um país florescente, uma ponte entre a Europa e os riquíssimos emirados árabes, cruzamento natural de várias culturas, torre de Babel onde se falava uma dúzia de línguas. O comércio e as transacções bancárias de toda a região pagavam o seu tributo a Beirute, aonde chegavam por terra caravanas a abarrotar de mercadorias, pelo ar os aviões da Europa com as últimas novidades e por mar os barcos que tinham de esperar vez para atracar no porto. Mulheres cobertas de véus negros, carregadas com volumes, arrastando os filhos, andavam apressadas pelas ruas sempre com a vista baixa, enquanto os homens ociosos conversavam nos cafés. Burros, camelos, autocarros apinhados de gente, motocicletas e automóveis paravam simultaneamente nos semáforos, pastores com as mesmas vestes dos seus antepassados bíblicos cruzavam as avenidas conduzindo manadas de ovelhas a caminho do matadouro. Várias vezes por dia, a voz aguda do muezim chamava à oração desde os minaretes das mesquitas, fazendo coro com os sinos das igrejas cristãs. Nas lojas da capital oferecia-se o melhor do mundo, mas o mais atraente para nós era percorrer os zuks, labirintos de vielas estreitas marginadas por um sem fim de vendas onde era possível comprar desde ovos frescos até relíquias faraónicas. Ah! o cheiro dos zuks! Todos os aromas do planeta fluíam por aquelas ruazinhas, tufos de exóticos manjares, fritos em gordura de borrego, pastéis de massa folhada, nozes e mel, sargetas abertas onde flutuavam lixo e excrementos, suor de animais, tinturas de peles e cabedais, asfixiantes perfumes de incenso e patchouli, café acabado de ferver com sementes de cardamoma, especiarias do Oriente: canela, cominhos, pimenta, açafrão...»

    (Isabel Allende)